Notícias

Imprimir

Governo brasileiro reafirma compromisso com a consolidação fiscal, diz Levy

09/09/2015

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou nesta quarta-feira (9), em nota à imprensa, que o governo brasileiro “reafirma seu compromisso com a consolidação fiscal”. Ele declarou também que entende que “o esforço fiscal é essencial para equilibrar a economia em um ambiente global de incerteza” e “criar as condições para a retomada do crescimento na esteira do fim do boom das commodities”.

As afirmações foram feitas em nota oficial após a divulgação da nova avaliação da nota de crédito de longo prazo em moeda estrangeira pela agência Standard & Poor’s (S&P).

Levy lembrou que o esforço fiscal em 2015 “se traduziu na redução de subsídios em empréstimos, no corte de R$ 78 bilhões de despesas discricionárias e na votação de importantes medidas de redução de renúncias fiscais e reforma do seguro desemprego e pensões”.

Leia a nota na íntegra:

Em face da nova avaliação da nota de crédito de longo prazo em moeda estrangeira pela agência Standard & Poor’s (S&P), o governo brasileiro reafirma seu compromisso com a consolidação fiscal.

O governo entende que o esforço fiscal é essencial para equilibrar a economia em um ambiente global de incerteza e, juntamente com iniciativas microeconômicas, aumentar a produtividade do país e criar as condições para a retomada do crescimento na esteira do fim do boom das commodities.

Esse esforço complementa as medidas macroeconômicas tomadas desde o começo do ano que já tem se refletido no processo de reequilíbrio das contas externas e na queda das expectativas de inflação para 2016 e 2017 entre outros indicadores.

O esforço fiscal em 2015 se traduziu na redução de subsídios em empréstimos, o corte de R$ 78 bilhões de despesas discricionárias e na votação de importantes medidas de redução de renúncias fiscais e reforma do seguro desemprego e pensões.

O projeto de lei orçamentária para 2016 incorpora importante disciplina nas despesas discricionárias e esforços de gestão para reduzir as despesas obrigatórias. O processo para se garantir a meta de superávit primário de 0,7% do PIB em 2016 será completado nas próximas semanas com o envio de propostas na área de gastos e receitas discutidas com o Congresso Nacional, em paralelo nos próximos meses a ações legislativas de caráter estrutural para aumentar a eficiência, previsibilidade e produtividade da economia.

Fonte: Blog do Planalto  

 

Voltar

  • Panorama
  • SIMBRACS - Catálogos de Oportunidades de Investimentos
  • Programa de Investimento em Energia Elétrica – PIEE
  • Relatorio de Anuncios de Investimentos
  • ApexBrasil
  • Portal Inovação
  • BrasilGlobalNet
  • BNDES
  • SUFRAMA
Outras Notícias